Docinhos: Função CEO - A Descoberta da Verdade (parte 3)

1
"- Confesso que você é uma adversária que eu subestimei. Acreditei que realmente amava o Robert, mas veja só: rouba-lhe as ações, o atira aos leões na primeira oportunidade, faz o papel de boa samaritana trazendo o problema e a solução, expondo o que está por baixo dos panos, e ainda oferece a Olívia o meu cargo – e sorriu de maneira amigável. – Cuidado, Melissa! Talvez você esteja mesmo com problemas neurológicos e está buscando confusão até alcançar a “liberdade da alma” – estremeci com aquela ameaça tão explícita. Percebi que Robert se aproximou um pouco mais de nós duas, como se estivesse pronto para me defender.
- Com toda a certeza você me subestimou, Tanya. Cuidado! Eu ainda não revelei, nem usei, tudo o que sei contra você. 
- Esta não será uma guerra justa – e saiu com a sua classe inquestionável. Foi quando me dei conta de que Robert me encarava com uma frieza que gelava meus ossos.
- Alguma ameaça para fazer? – levantei o rosto encarando de volta e tentando me manter segura.
- Não – ele piscou como se estivesse acordando de um transe. – Não, Melissa – e estava lá. Aquela tristeza que tirava o meu ar, que me quebrava sem deixar condições de me recompor. 
Eu sabia que seria daquela forma. Que ele se magoaria ao ponto de não haver condições de perdão. Que eu entrava em um jogo tão complicado e pesado quanto o que ele estabelecera com Tanya. Que não permitia volta. Era o mesmo que ser enterrada viva. Sufocante, medonho, aterrorizante. Porque eu sabia que naquele momento nada mais poderia ser mudado. Robert me odiava e com isso conseguiria se encaixar perfeitamente na segunda parte do plano. Era preciso ser forte, contudo eu não era. E só entendi isso naquele instante. 
- Robert...
- Sabe o que eu acho de pior nesta história? Tanya tem razão. Você enganou todo mundo. Eu também acreditei que me amava – e seus olhos me cobravam este amor com tanto calor que foi impossível resistir.
- Eu...
- Não, Melissa! No fundo eu sei que tudo foi culpa minha. A história se repete, não é? – puta merda! O que eu estava fazendo? – Eu destruí Tanya, destruí os sonhos dela e a tornei o que é hoje – sorriu com a sua desgraça. – E veja só o que eu fiz com você. Veja o que você se tornou. Nada diferente de Tanya. Eu criei dois monstros.
Puta. Que. Pariu! 
Nunca, em todo o meu processo de construção daquele plano, imaginei que Robert seria capaz de me igualar a Tanya. Em meus piores pesadelos imagine que isso fosse possível. Piorava consideravelmente quando ele assumia toda a culpa para si. Como se ele fosse o único causador de todo aquele problema. Como se a culpa fosse apenas dele. 
Puta merda!
E dizendo isso, Robert me deu as costas e saiu. Não apenas da sala, ele foi em direção as escadas e sumiu de minhas vistas. Droga!"

1 comentários:

Geisa Bono disse...

Nossa to sofrendo junto com Robert ! fico muito chateda por ele não ter conseguido ser feliz com seu grande amor. e o pior ela quer destrui-lo....afff!!!

Postar um comentário